Mais

Projeção diferente do mapa mundial

Projeção diferente do mapa mundial


Eu quero exibir algo em um mapa mundial. Tenho esses shapefiles http://thematicmapping.org/downloads/world_borders.php Quero que meu mapa se pareça com isto:

ou

Estou usando o QGis. É difícil arquivar ou eu "simplesmente" tenho que mudar a projeção do shapefile? Tenho falta de conhecimentos teóricos e não sei por onde começar a pesquisar…


Visto que algumas de suas projeções desried podem ter problemas com a reprojeção instantânea, sugiro criar CRS personalizado para cada projeção e salvar os shapefiles com um nome diferente. Em seguida, crie um novo projeto QGIS, selecione o CRS personalizado como projeto CRS e adicione a nova camada do arquivo de forma.

Alguns CRS podem falhar se o pólo norte ou sul estiver incluído.


Depois de ver estes 30 mapas, você e # 8217ll nunca olharão para o mundo da mesma maneira

Iveta
Membro da comunidade

A razão pela qual certos países parecem maiores ou menores do que outros é algo chamado de Projeção de Mercator. Colocar um planeta 3D em um mapa mundial bidimensional foi uma espécie de desafio para os primeiros cartógrafos, então um geógrafo e cartógrafo flamengo chamado Gerardus Mercator apresentou uma solução para o mapa mundial mais preciso. Em 1569, ele projetou um atlas que poderia ser usado com precisão para fins de navegação, mas a desvantagem era que seu sistema distorcia o tamanho dos objetos dependendo de sua posição em relação ao equador. Por causa disso, massas de terra como a Antártica e a Groenlândia pareciam muito maiores do que realmente são. Embora existam cerca de 40 tipos de projeções cartográficas, de cônicas a poliédricas e retroazimutais representando mapas em tamanho real, esta ainda é a mais utilizada por sua conveniência e simplicidade. E nenhuma dessas projeções pode ser intitulada 'o mapa do mundo real', apenas porque todas representam a mesma Terra através de lentes diferentes.


Projeção e distorção de mapa

Dependendo da finalidade de um mapa, o cartógrafo tentará eliminar a distorção em um ou vários aspectos do mapa. Lembre-se de que nem todos os aspectos podem ser precisos, portanto o criador do mapa deve escolher quais distorções são menos importantes do que as outras. O cartógrafo também pode escolher permitir um pouco de distorção em todos esses quatro aspectos para produzir o tipo certo de mapa.

  • Conformalidade: As formas dos lugares são precisas
  • Distância: As distâncias medidas são precisas
  • Área / Equivalência: As áreas representadas no mapa são proporcionais à sua área na Terra
  • Direção: Os ângulos de direção são retratados com precisão

Novo mapa 'radicalmente diferente' é considerado o mapa 2D mais preciso já feito

Admite. Todos nós temos nossos mapas mundiais favoritos, aquele em que o continente que chamamos de lar fica bem no centro. E quando o mapa do mundo é virado de cabeça para baixo ou movido para a esquerda ou direita, tudo parece ... desequilibrado.

Mais do que apenas uma disputa em sala de aula, é um reflexo de como os mapas podem moldar a forma como vemos e entendemos o mundo.

Agora, um grupo de pesquisadores reimaginou nosso planeta e criou um mapa de dupla face - redondo, não muito diferente da Terra, mas também plano como uma panqueca - em uma tentativa de nos dar uma visão menos distorcida do mundo.

"Estamos propondo um tipo de mapa radicalmente diferente", disse o astrofísico da Universidade de Princeton J. Richard Gott, que projetou a nova página com o matemático Robert Vanderbrei e o físico David Goldberg da Universidade Drexel, na Filadélfia.

O trio se propôs a fazer um mapa plano com o mínimo de erro possível depois de criar um sistema para pontuar os mapas existentes sobre o quão assimétricos ou tortos eles são, e quantas áreas e distâncias nos mapas estavam fora de forma.

"Acreditamos que seja o mapa plano mais preciso da Terra até o momento", escreveram os pesquisadores quando publicaram seus métodos no site pré-impresso arXiv.org antes da revisão por pares. Você pode verificar seus esforços abaixo.

"Qualquer mapa plano da esfera não pode ser perfeito, mas o nosso é muito melhor do que os mapas anteriores para minimizar os erros nas formas locais, áreas, dobras, assimetrias, distâncias e cortes de limites", disse Gott à ScienceAlert, que melhorou seu último esforço em o processo.

Com tecnologia de satélite, lasers aerotransportados e mash-ups de big data, os cientistas hoje estão bem equipados para mapear todos os tipos de coisas, desde florestas que respiram carbono e continentes em movimento até como os humanos causaram estragos na Terra.

Mas eles ainda estão lutando para transformar nossa bugiganga de Natal de um planeta em um mapa plano. Por mais que gostemos de mapas que nos ajudem a visualizar como as coisas são, eles também distorcem o mundo imensamente.

É matematicamente impossível representar a superfície de uma esfera como um mapa plano sem alguma forma de distorção, então os criadores de mapas precisam usar alguns truques matemáticos para representar fielmente algumas características terrenas enquanto sacrificam outras.

Alguns mapas mundiais são projetados para preservar a forma dos países (chamados de projeções Cônicas Conformadas de Lambert), enquanto outros mapas - aqueles globos que se projetam no equador - preservam a área. Estas são as projeções de Mollweide.

Sobrepor centenas de mapas de uma vez mostra o quão distorcido o mundo fica quando os criadores de mapas tentam nivelar o globo, como o cientista de dados Michael Freeman, da Escola de Informação da Universidade de Washington, revela nesta visualização interativa:

A divertida ferramenta interativa de @mf_viz nos permite sobrepor centenas de projeções de mapas de uma vez. Uma ótima maneira visual de entender a distorção dos mapas. As áreas ao longo do equador permanecem praticamente as mesmas, é claro. Fonte: https://t.co/8VpoQPaU7j pic.twitter.com/jPeCnOOkEG

- Simon Kuestenmacher (@ simongerman600) 16 de fevereiro de 2021

Pelos mapas que já temos, o melhor versátil é um meio-termo. Conhecida como projeção Winkel Tripel, e usada por Geografia nacional para seus mapas mundiais, ele minimiza a distorção de área, direção e distância.

Embora ainda não seja perfeito, porque o Oceano Pacífico é cortado entre o Japão e a Califórnia, fazendo com que pareça muito mais largo do que realmente é.

Mais recentemente, o arquiteto americano Buckminster Fuller e o artista e arquiteto japonês Hajime Narukawa tentaram desdobrar o mundo de maneiras diferentes. Outros estão apenas se divertindo em espalhar a Terra como uma casca de laranja.

Este novo mapa, um disco plano de dois lados, foi criado usando uma abordagem totalmente diferente novamente.

"Estamos essencialmente esmagando o globo, como se o tivéssemos atropelado com um rolo compressor", disse Gott ao ScienceAlert.

Ele dá uma representação mais precisa do mundo do que os mapas planos existentes, dizem os pesquisadores - por sua própria pontuação.

"Nosso mapa é na verdade mais parecido com o globo do que outros mapas planos", diz Gott. "Para ver todo o globo, você precisa girá-lo para ver todo o nosso novo mapa, basta virá-lo."

Os hemisférios norte e sul podem ser colocados em ambos os lados, com o equador em torno da borda, como você pode ver abaixo.

"Este é um mapa que você pode segurar na mão", diz Gott, que avalia que as pessoas gostariam de imprimi-lo em plástico ou papelão, o que poderia ser atraente para qualquer caminhante ávido ou turista que sabe muito bem que os mapas de papel se expandem no comprimento do braço, nunca dobre para trás da mesma maneira.

O mapa do disco de dupla face. (Gott, Vanderbei e amp Goldberg)

"Temos continuidade ao longo do equador", explica Gott. "A África e a América do Sul estão penduradas nas bordas, como um lençol sobre um varal, mas são contínuas."

Isso significa que as distâncias entre os oceanos ou entre os pólos são precisas e fáceis de medir, dizem os pesquisadores, então pode ser uma ferramenta útil para ensinar as crianças sobre o mundo.

Mesmo com suas melhorias, ainda existem algumas distorções com este mapa de disco, apenas não tão grandes quanto com outras projeções. As áreas nas bordas são 1,57 vezes maiores do que no centro e as distâncias podem ser cerca de um quinto.

"Nenhum mapa plano unilateral regular pode fazer isso", disse Gott.

Quem sabe se isso se tornará uma sensação na sala de aula ou se acabará arquivado em uma caixa como a sua coleção de CDs antigos? Mas, pelo menos, este mapa dá uma nova interpretação ao termo Terráteros planos.


Explicando alguns jargões - projeções e mapas

Estes são dois termos comumente confundidos e a diferença é simples:

UMA projeção é um sistema de matemática e geometria pelo qual as informações na superfície de uma esfera (a Terra) podem ser transferidas para um pedaço de papel plano (um mapa).

Descrevendo projeções

Existem duas maneiras de classificar as projeções:
» Tipo básico: depende da característica que é preservada
» Técnica Básica:depende do método usado para projetar recursos em uma superfície plana

As projeções são descritas com referência a ambos.

Tipos básicos de projeção

Isso descreve como um mapa mostra a relação posicional entre dois recursos e seu tamanho e forma. Dependendo do uso pretendido, as projeções são escolhidas para preservar uma relação ou característica particular. Esses incluem:

  • Igualdade de área - mostra corretamente o Tamanho de um recurso
  • Conforme - mostra corretamente o forma de características (um mapa não pode ser ao mesmo tempo igual ou conforme - pode ser apenas uma ou outra ou nenhuma.)
  • Equidistante - mostra corretamente o distância entre dois recursos
  • Direção Verdadeira - mostra corretamente o direção entre dois recursos

Técnicas Básicas de Projeção

Descreve a maneira como um pedaço de papel imaginário (que se tornará o mapa) é colocado na Terra para obter a latitude e a longitude do mapa.

Onde o "pedaço de papel" imaginário toca a Terra, não há distorção no mapa. Conforme você se afasta de lá, no entanto, as distorções aumentam com a distância. Por causa disso, os fabricantes de mapas geralmente escolhem que o pedaço de papel toque a Terra no meio de um mapa - minimizando assim a quantidade de distorção.

Usando este conceito de um "pedaço de papel" imaginário tocando a Terra, existem três técnicas básicas usadas para criar uma projeção e, portanto, um mapa. Estes são:

  • azimutal - o 'pedaço de papel' imaginário é plano, isso geralmente é usado em áreas polares
  • cônico - o 'pedaço de papel' imaginário é enrolado em um cone, isso geralmente é usado em áreas de latitude média (aproximadamente 20 ° - 60 ° Norte e Sul)
  • cilíndrico - o 'pedaço de papel' imaginário é enrolado em um cilindro, isso geralmente é usado em áreas equatoriais ou para mapas mundiais

Essas técnicas básicas têm distorções diferentes e, portanto, limitações ao seu uso - veja abaixo as descrições delas. Cada tipo de técnica possui uma região da Terra onde normalmente é usado. No entanto, qualquer uma das três técnicas de projeção pode ser usada para qualquer área da Terra.

Em termos simples, onde o 'papel toca a Terra', não há distorções. Mas quanto mais longe o 'papel' está da superfície da Terra, maiores são as distorções. A matemática em diferentes projeções tenta superar esse problema - mas nenhuma remove todas as distorções.

Explicando Alguns Jargões - Paralelo Padrão e Meridiano Central

Os cartógrafos têm termos técnicos para descrever a linha de latitude ou longitude onde este "pedaço de papel" imaginário toca a Terra. Estes são:
»Para uma linha de latitude - paralelo padrão
»Para uma linha de longitude - meridiano central

Projeções Azimutais

Esta projeção é baseada em um 'pedaço de papel plano' tocando a Terra em um ponto. O ponto geralmente é um polonês, mas isso não é essencial.

Azimute é um conceito matemático relacionado à relação entre um ponto e o "pedaço de papel plano" que "toca" a Terra. Geralmente é medido como um ângulo. Acredita-se que a palavra em si tenha vindo de uma palavra árabe que significa o caminho - referindo-se ao caminho ou direção que uma pessoa encara.

  • tem distorções aumentando a partir do ponto central
  • têm distorções muito pequenas perto do ponto central (o 'ponto de toque do papel')
  • a direção da bússola é correta apenas do ponto central para outro recurso - não entre outros recursos
  • geralmente não são usados ​​perto do Equador, porque outras projeções representam melhor os recursos nesta área.

Quando o centro do mapa são os mapas do Pólo Norte ou Sul produzidos com as técnicas de Projeções Azimutais, as linhas de longitude se espalham a partir do centro e as linhas de latitude como círculos concêntricos. Essas projeções são freqüentemente chamadas de projeções polares.

Esses dois são exemplos de mapas de projeção azimutal que não são centralizados em um pólo.

Projeções Cônicas

Esta projeção é baseada no conceito de 'pedaço de papel' sendo enrolado em forma de cone e tocando a Terra em uma linha circular. Mais comumente, a ponta do cone é posicionada sobre um pólo e a linha onde o cone toca a terra é uma linha de latitude, mas isso não é essencial. A linha de latitude onde o cone toca a Terra é chamada de Paralelo Padrão.

As projeções cônicas são geralmente usadas para mapas regionais ⁄ nacionais de áreas de latitudes médias - como a Austrália e os Estados Unidos da América.

  • são em forma de leque quando usados ​​para mapear grandes áreas
  • têm distorções aumentando para longe da linha circular central (o 'ponto de contato do papel')
  • têm distorções muito pequenas ao longo da linha circular central (o 'ponto de contato do papel')
  • as formas são mostradas corretamente, mas o tamanho está distorcido
  • geralmente têm linhas de longitude se espalhando umas das outras e têm linhas de latitude como círculos concêntricos abertos.

Este é um exemplo típico de mapa-múndi baseado na técnica de projeção cônica. Este mapa está centralizado na Austrália central e o Paralelo Padrão é 25 ° Sul. Observe como as formas das massas de terra próximas ao Paralelo Padrão são bastante próximas da forma real quando vistas do espaço - veja as imagens no início desta seção. Isso inclui Austrália, América do Sul e a ‘ponta’ da África. Observe também como as massas de terra mais distantes do Paralelo Padrão são muito distorcidas quando comparadas às vistas do espaço. Particularmente, observe como são enormes o norte do Canadá e as calotas polares do Ártico.

Por causa das distorções do Paralelo Padrão, as Projeções Cônicas são geralmente usadas para mapear regiões da Terra - particularmente em áreas de latitudes médias. Este mapa usa as mesmas configurações do Mapa-múndi anterior, mas é mais típico de um mapa de projeção cônica. As distorções são maiores ao norte e ao sul - longe do Paralelo Padrão. Mas, como o Paralelo Padrão segue de leste a oeste, as distorções são mínimas no meio do mapa.

Projeções cilíndricas

Esta projeção é baseada no conceito de 'pedaço de papel' sendo enrolado em um cilindro e tocando a Terra em uma linha circular. O cilindro é geralmente posicionado sobre o Equador, mas isso não é essencial.

As projeções cilíndricas são geralmente usadas para mapas mundiais ou mapas regionais ⁄ nacionais de áreas equatoriais - como Papua-Nova Guiné.

Essas projeções geralmente:

  • são retangulares ou ovais - mas esta técnica de projeção é muito variável em sua forma
  • têm linhas de longitude e latitude em ângulos retos entre si
  • têm distorções aumentando para longe da linha circular central (o 'ponto de contato do papel')
  • têm distorções muito pequenas ao longo da linha circular central (o 'ponto de contato do papel')
  • mostrar as formas corretamente, mas o tamanho está distorcido.

Este é um exemplo de projeção de mapa cilíndrico e é uma das projeções mais famosas já desenvolvidas. Foi criado por um cartógrafo e geógrafo flamengo - Geradus Mercator em 1569. É famoso porque foi usado durante séculos para navegação marítima. A única razão para isso é que qualquer linha desenhada no mapa era uma direção verdadeira. No entanto, formas e distâncias foram distorcidas.
Observe as enormes distorções nas regiões Árticas e Antárticas, mas a representação razoável das massas de terra até cerca de 50 ° ao norte e ao sul.

Explicando alguns jargões - projeções cilíndricas e pseudo-cilíndricas

As primeiras projeções cilíndricas desenvolvidas tinham as linhas de latitude e as linhas de longitude mostradas como linhas retas - veja a seção sobre a projeção de Mercator.

Com os avanços dos computadores tornou-se possível calcular as linhas de longitude como curvas - reduzindo assim as distorções perto dos polos - veja a seção sobre a projeção de Robinson.

Para distinguir entre essas duas projeções, a primeira continuou a ser chamada de projeção cilíndrica, mas a segunda (com as linhas curvas de longitude) foi chamada de projeção pseudo-cilíndrica.

Está tudo em nome

O nome de uma projeção é muitas vezes um bom indicador de algumas de suas propriedades.

em primeiro lugar
As projeções costumam receber o nome de seu criador - nomes famosos incluem Albers, Lambert, Mercator e Robinson. No entanto, sem conhecimento privilegiado, isso não dá nenhuma indicação das propriedades de uma projeção.

Em segundo lugar
O nome da projeção pode se referir a alguns de seus atributos - muito comumente Equal-Area, Conformal e Equidistant estão incluídos no nome de uma projeção.

Em terceiro lugar
O nome da projeção pode se referir à sua técnica de origem - cônica e azimutal são as mais comumente usadas aqui. (Existe um elemento de suposição de que uma projeção é cilíndrica, se não for declarado de outra forma.)

Variações para essas técnicas básicas

As técnicas descritas acima estão em sua forma mais simples. A partir daqui fica mais complicado. A matriz de variações matemáticas e geométricas dessas técnicas básicas descritas acima é limitada apenas pela imaginação do criador da projeção e sua capacidade de calcular fórmulas complexas (na era moderna, isso é simplificado pelo uso de computadores avançados).

Algumas (mas longe de todas) variações das três técnicas básicas são:

  • bipolar - azimutal, mas dois 'pedaços de papel' separados são usados ​​um sobre cada pólo
  • policônico - dois ou mais 'cones' são colocados sobre a Terra - eles podem ser 'aninhados' um dentro do outro ou colocados em outro lugar - por exemplo, centrados nas Américas, Europa ⁄ África, Ásia e Pacífico.
  • Senoidal - descreve a matemática de como as linhas de longitude (meridianos) são calculadas em algumas projeções pseudo-cilíndricas.

Vários paralelos padrão ou meridianos centrais

Uma variação muito comum é ter mais de um "ponto de contato do papel" com a Terra - ou seja, dois ou mais paralelos padrão (ou meridianos centrais). Como aprendemos acima, as áreas próximas ao Paralelo Padrão têm menos distorção do que aquelas mais distantes do ‘ponto de contato do papel’. Por ter dois paralelos padrão, os níveis de distorção no mapa são mantidos no mínimo e aumentam a precisão geral do mapa.

Considere o diagrama acima, que ilustra como a distância do 'ponto de contato do papel' resulta em distorções.

Agora observe este diagrama onde o papel não toca a Terra - ele corta a Terra. Em todo o pedaço de papel, a distância até a superfície da Terra é muito menor e, portanto, as distorções são menores.

Usando esta projeção cônica como exemplo, o 'pedaço de papel' parece 'cortar' a Terra - tocando assim a superfície da Terra em dois lugares e criando dois paralelos padrão.

Ao posicionar os paralelos padrão, é melhor colocá-los a cerca de 1 ⁄ 4 a 1 ⁄ 3 do caminho a partir da borda do mapa - isso minimiza a distorção no mapa. Por exemplo, no caso de um mapa da Austrália que se estende de cerca de 10 ° a 45 ° Sul, os paralelos padrão mais comumente usados ​​são 18 ° e 36 ° Sul.

Esses dois mapas usam a mesma projeção cônica. O primeiro usa apenas um Paralelo Padrão e o segundo usa dois Paralelos Padrão. Com esta projeção, a diferença entre os dois é dramática com outras (como o Lambert Conformal Conic) a diferença não é tão dramática. Este exemplo é para enfatizar que um cartógrafo precisa estar ciente dos pontos fortes e fracos da projeção que está usando.

Méritos e limitações das projeções

Como afirmado acima, nenhuma projeção é capaz de mostrar com precisão o correto direção da bússola, distância, forma e área de todos os recursos descritos nele. Por isso, cada projeção tem vantagens e desvantagens, além de servir a diferentes propósitos e produzir diferentes tipos de distorções.

Como regra geral, os mapas de áreas locais têm menos distorções do que os de áreas maiores ou do mundo.

Muitas projeções especiais foram desenvolvidas para superar especificamente algumas dessas distorções. Por exemplo:

  • as projeções de 'área igual' preservam áreas verdadeiras
  • projeções 'conformes' preservam a forma verdadeira
  • As projeções 'azimutais' preservam a direção verdadeira da bússola a partir do centro.

Como regra geral, a melhor projeção a ser usada é ditada pelo mapa:

  • localização (equatorial, polar ou latitudes médias)
  • extensão ⁄ tamanho (mundial vs regional vs local)
  • propósito (distorção pode não ser um problema, mas manter áreas iguais ou direção verdadeira pode ser importante).

Ao selecionar uma projeção, os cartógrafos também devem considerar as convenções nacionais e a consistência com outros mapas de uma área.


Projeção diferente do mapa mundial - Sistemas de Informação Geográfica

Antípodas - Dois pontos em lados opostos de um planeta.

Arco-segundo - 1/3600º de grau (1 segundo) de latitude ou longitude.

ARC / Info - Um GIS amplamente orientado para UNIX desenvolvido e distribuído pelo Environmental Systems Research Institute, Inc.

Aspecto - O posicionamento conceitual de um sistema de projeção em relação ao eixo da Terra (direto, normal, polar, equatorial, oblíquo e assim por diante).

Projeção autálica - Ver Projeção de área igual.

Eixos - Ver Eixos do mapa.

Azimute - O ângulo que uma linha faz com um meridiano, tomado no sentido horário do norte.

Projeção azimutal - Uma projeção na qual o azimute ou direção de um determinado ponto central para qualquer outro ponto é mostrado corretamente. Quando um pólo é o ponto central, todos os meridianos são espaçados em seus ângulos verdadeiros e são raios retos de círculos concêntricos que representam os paralelos. Também chamada de projeção zenital.

Batimetria - A medição da profundidade da água em oceanos, mares, lagos e outras massas de água.

Bowditch, Nathaniel - Um matemático, astrônomo e marinheiro do final do século 18 / início do 19 que "escreveu o livro" sobre navegação. John Hamilton Moore's O Navegador Prático era o principal texto de navegação quando Bowditch foi para o mar pela primeira vez, e isso já acontecia há muitos anos. No início de sua primeira viagem, no entanto, Bowditch começou a notar erros no livro de Moore, que ele registrou e mais tarde usou na preparação de uma edição americana do trabalho de Moore. As revisões foram a tal ponto que Bowditch foi nomeado o autor principal, e o título foi alterado para O Novo Navegador Prático Americano, publicado em 1802. Em 1868, a Marinha dos Estados Unidos comprou os direitos autorais do livro, que ainda é comumente referido como "Bowditch" e considerado a "bíblia" da navegação.

Cartografia - A arte ou prática de fazer gráficos ou mapas.

Meridiano central - O meridiano que passa pelo centro de uma projeção, geralmente uma linha reta em torno da qual a projeção é simétrica.

Projeção central - Uma projeção na qual a Terra é projetada geometricamente do centro da Terra para um plano ou outra superfície. As projeções Gnomônicas e Cilíndricas Centrais são exemplos.

Choropleth - Um mapa que consiste em áreas de igual valor separadas por limites abruptos e coloridas ou sombreadas de acordo com esses valores.

Curvas complexas - Curvas que não são formas elementares, como círculos, elipses, hipérboles, parábolas e curvas sinusoidais.

Projeção composta - Uma projeção formada pela conexão de duas ou mais projeções ao longo de linhas comuns, como paralelos de latitude, sendo feitos os ajustes necessários para obter o ajuste. A projeção Goode Homolosine é um exemplo.

Projeção conformada - Uma projeção na qual todos os ângulos em cada ponto são preservados. Também chamada de projeção ortomórfica.

Projetado conceitualmente - A maneira conveniente de visualizar um sistema de projeção, embora possa não corresponder ao método matemático de projeção atual.

Projeção cônica - Uma projeção resultante da projeção conceitual da Terra em um cone tangente ou secante, que é então cortado longitudinalmente e colocado de forma plana. Quando o eixo do cone coincide com o eixo polar da Terra, todos os meridianos são raios equidistantes retos de arcos circulares concêntricos que representam os paralelos, mas os meridianos são espaçados em menos do que seus ângulos verdadeiros. Matematicamente, a projeção geralmente é apenas parcialmente geométrica.

Escala constante - Uma escala linear que permanece a mesma ao longo de uma linha específica em um mapa, embora essa escala possa não ser a mesma que a escala declarada ou nominal do mapa.

Contorno - Todos os pontos que estão na mesma elevação acima ou abaixo de um datum especificado.

Aspecto convencional - Ver Aspecto normal.

Escala correta - Uma escala linear com exatamente o mesmo valor que a escala declarada ou nominal do mapa, ou um fator de escala de 1,0. Também chamada de escala verdadeira.

Projeção cilíndrica - Uma projeção resultante da projeção conceitual da Terra em um cilindro tangente ou secante, que é então cortado longitudinalmente e colocado de forma plana. Quando o eixo do cilindro coincide com o eixo da Terra, os meridianos são retos, paralelos e equidistantes, enquanto os paralelos de latitude são retos, paralelos e perpendiculares aos meridianos. Matematicamente, a projeção geralmente é apenas parcialmente geométrica.

Acerto de contas - A partir do "cálculo deduzido", a estimativa da posição geográfica com base no curso, velocidade e tempo.

DEM (Mapa / Modelo Digital de Elevação) - Dados de elevação na forma de um mapa de matriz, geralmente em uma grade regular. O DEM também se refere aos cinco tipos principais de modelos de elevação digital produzidos pelo U.S. Geological Survey, um dos quais é o modelo de 1 grau (resolução de 3 segundos de arco) que tem interface com a caixa de ferramentas de mapeamento.

Partida - A distância do comprimento do arco ao longo de um paralelo de um ponto de um determinado meridiano.

Superfície revelável - Uma forma geométrica simples capaz de ser aplainada sem esticar. Muitas projeções de mapas podem ser agrupadas por uma superfície desenvolvível específica: cilindro, cone ou plano.

Aspecto direto - Ver Aspecto normal.

Distorção - Uma variação da área ou escala linear em um mapa daquela indicada pela escala de mapa declarada, ou a variação de uma forma ou ângulo em um mapa da forma ou ângulo correspondente na Terra.

DMS - Notação angular de graus-minutos-segundos no formato ddd & # 176 mm 'ss' '. Existem 60 segundos em um minuto e 60 minutos em um grau. Na caixa de ferramentas de mapeamento, quando ângulos "dms" são representados por um único número, o formato é dddmm.ss.

Elipsóide - Quando usado para representar a Terra, uma figura geométrica sólida formada pela rotação de uma elipse em torno de seu eixo menor (mais curto). Também chamado de esferóide.

Projeção de área igual - Uma projeção na qual as áreas de todas as regiões são mostradas na mesma proporção de suas áreas reais. As formas podem ficar muito distorcidas. Também chamada de projeção equivalente ou autálica.

Aspecto equatorial - Um aspecto de uma projeção azimutal em que o centro de projeção ou origem é algum ponto ao longo do Equador. Para projeções cilíndricas e pseudocilíndricas, esse aspecto é geralmente denominado convencional, direto, normal ou regular, em vez de equatorial.

Projeção equidistante - Uma projeção que mantém a escala constante ao longo de todos os grandes círculos de um ou dois pontos. Quando a projeção está centrada em um pólo, os paralelos são espaçados em proporção às suas distâncias reais ao longo de cada meridiano.

Projeção equireal - Ver Projeção de área igual.

Projeção equivalente - Ver Projeção de área igual.

Projeção plana polar - Uma projeção na qual, em aspecto normal, o pólo é mostrado como uma linha em vez de um ponto.

Quadro - Ver Quadro do mapa.

Livre de distorção - Sem distorção de forma, área ou escala linear. Em um mapa plano, essa condição pode existir apenas em certos pontos ou ao longo de certas linhas.

Mapa matricial geral - Na caixa de ferramentas de mapeamento, um mapa de matriz definido com matrizes de coordenadas de latitude-longitude, permitindo orientações irregulares e não retangulares.

Geóide - A verdadeira forma da Terra, uma forma irregular e complexa que geralmente é modelada com uma esfera ou um elipsóide. Na caixa de ferramentas de mapeamento, este termo se refere ao modelo esférico ou elipsoidal da Terra ou outro planeta em uso, em vez da forma verdadeira.

Vetor geóide - Na caixa de ferramentas de mapeamento, um vetor que descreve o modelo geóide, ou elipsóide. O vetor geóide tem a forma:

Projeção geométrica - Ver Projeção em perspectiva.

Estrutura de dados geográficos - Na caixa de ferramentas de mapeamento, uma estrutura de dados MATLAB contendo os dados e outras informações para a exibição adequada dos objetos do mapa. Os campos válidos na estrutura incluem tipo, tag e altitude.

GIS (Sistema de Informação Geográfica) - Um sistema, geralmente baseado em computador, para a entrada, armazenamento, recuperação, análise e exibição de dados geográficos interpretados.

Projeção globular - Geralmente, uma projeção não-azimutal desenvolvida antes de 1700 na qual um hemisfério está contido em um círculo e meridianos e paralelos são curvas simples ou linhas retas.

Gratícula - Uma rede de linhas que representa uma seleção dos paralelos e meridianos da Terra para fins de projeção. Os vértices da grade da gratícula são projetados com precisão e os dados do mapa contidos em qualquer célula da grade são distorcidos para caber no quadralateral resultante. Uma grade de gratícula mais fina resulta em uma maior fidelidade de projeção às custas de maiores requisitos computacionais.

Grande circulo - Qualquer círculo na superfície de uma esfera, especialmente quando a esfera representa a Terra, formado pela interseção da superfície com um plano que passa pelo centro da esfera. É o caminho mais curto entre quaisquer dois pontos ao longo do círculo e, portanto, importante para a navegação. Todos os meridianos e o Equador são grandes círculos na Terra tidos como uma esfera.

Rede - Ver Grade do mapa.

HMS - Notação de tempo horas-minutos-segundos no formato hh & # 176 mm 'ss' '. Na Caixa de ferramentas de mapeamento, quando os tempos de "hms" são representados por um único número, o formato é hhmm.ss.

Projeção homalográfica / homolográfica - Ver Projeção de área igual.

Hidrografia - A ciência da medição, descrição e mapeamento das águas superficiais da Terra, especialmente com referência ao seu uso na navegação. O termo também se refere às partes de um mapa que representam coletivamente as águas superficiais.

Hidrologia - O estudo científico das águas da Terra, especialmente em relação aos efeitos da precipitação e evaporação sobre a ocorrência e carácter das águas subterrâneas.

Hypsography - O estudo científico da configuração topológica da Terra acima do nível do mar, especialmente a medição e mapeamento da elevação terrestre.

Mapa indexado - Um mapa de matriz no qual as entradas são um valor de índice em outra fonte de dados. O espaço de trabalho worldmtx contém um exemplo de um mapa indexado. Cada entrada no mapa de matriz é um índice em uma estrutura de dados que contém os nomes dos países do mundo.

Indicatriz - Um círculo ou elipse com a mesma forma de um círculo infinitesimalmente pequeno (com dimensões diferenciais) na Terra quando é plotado com dimensões finitas em uma projeção de mapa. Seus eixos estão nas direções e são proporcionais às escalas máxima e mínima naquele ponto. Isso é útil para ilustrar as distorções de uma determinada projeção de mapa. Freqüentemente chamado de indicatriz Tissot em homenagem ao originador do conceito. In the Mapping Toolbox, Tissot indicatrices may be displayed using the tissot command, and indicatrices for all supported projections are provided in the "Projections Reference" chapter of the online Mapping Toolbox reference documentation.

Interrupted projection - A projection designed to reduce peripheral distortion by making use of separate sections joined at certain points or along certain lines, usually the Equator in the normal aspect, and split along lines that are usually meridians. There is normally a central meridian for each section. The Mapping Toolbox does not include interrupted projections, but the user can separate data into sections and project these independently to achieve this effect.

Large-scale mapping - Mapping at a scale larger than about 1:75,000, although this limit is somewhat flexible.

Latitude (geographic) - The angle made by a perpendicular to a given point on the surface of a sphere or ellipsoid representing the Earth and the plane of the Equator (positive if the point is north of Equator, negative if it is south). One of the two common geographic coordinates of a point on the Earth.

Latitude of opposite sign - Ver Parallel of opposite sign.

Legs - Line segments connecting waypoints.

Lenda - Ver Map legend.

Limiting forms - The form taken by a system of projection when the parameters of the formulas defining that projection are allowed to reach limits that cause it to be identical with another separately defined projection.

Logical map - A binary matrix map consisting entirely of 1s and 0s. An example of a logical matrix map can be created with the topo map by performing a logical test for positive elevations ( topo>0 ). Each entry in the matrix map contains a 1 if it is above sea level, or a 0 if it is at or below sea level.

Longitude - The angle made by the plane of a meridian passing through a given point on the Earth's surface and the plane of the (prime) meridian passing through Greenwich, England, east or west to 180 (positive if the point is east, negative if it is west). One of the two common geographic coordinates of a point on the Earth.

Loxodrome - Ver Rhumb line.

Mapa A representation of geographic data. In the Mapping Toolbox, a map is any variable or set of variables (electronically) representing or assigning values to a geographic location or region, from a single point to an entire planet.

Map axes - In the Mapping Toolbox, a normal MATLAB axes altered for mapping display purposes. Several map axes properties are defined and stored in the UserData slot of the MATLAB axes. These properties control the appearance of the map display, much like the properties of the normal MATLAB axes control the appearance of the displayed plot. A map axes must first be defined in order to display maps using the Mapping Toolbox.

Map frame - In the Mapping Toolbox, a projected "box" or quadrangle enclosing the geographic display.

Map grid - A displayed network of lines representing parallels and meridians. The grid is used for visual reference and should not be confused with the graticule.

Map legend - In the Mapping Toolbox, a vector defining the geographic placement and unit cell size of a regular matrix map. A map legend has the form:

MapInfo - A largely PC-oriented GIS developed and distributed by the MapInfo Corporation.

Matrix map - A map consisting of a matrix (or matrices) of values corresponding to specific geographic points. In the Mapping Toolbox, matrix maps can be defined as regular or general, depending on the structure and orientation of the geographic points. Ver Regular matrix map and General matrix map.

Meridian - A reference line on the Earth's surface formed by the intersection of the surface with a plane passing through both poles and some third point on the surface. This line is identified by its longitude. On the Earth as a sphere, this line is half a great circle on the Earth as an ellipsoid, it is half an ellipse.

Minimum-error projection - A projection having the least possible total error of any projection in the designated classification, according to a given mathematical criterion. Usually, this criterion calls for the minimum sum of squares of deviations of linear scale from true scale throughout the map ("least squares").

NGVD 29 (National Geodetic Vertical Datum of 1929) - A reference surface established by the U.S. Coast Guard and Geodetic Survey of 1929, used as the datum for which relief features and elevation data are referenced in the conterminous United States formerly called "mean sea level 1929."

Nominal scale - The stated scale at which a map projection is constructed.

Normal aspect - A form of a projection that provides the simplest graticule and calculations. It is the polar aspect for azimuthal projections, the aspect having a straight Equator for cylindrical and pseudocylindrical projections, and the aspect showing straight meridians for conic projections. Also called conventional, direct, or regular aspect.

Oblique aspect - An aspect of a projection on which the axis of the Earth is rotated so it is neither aligned with nor perpendicular to the conceptual axis of the map projection.

Orthoapsidal projection - A projection on which the surface of the Earth taken as a sphere is transformed onto a solid other than the sphere and then projected orthographically and obliquely onto a plane for the map.

Orthographic projection - A specific azimuthal projection or a type of projection in which the Earth is projected geometrically onto a surface by means of parallel projection lines.

Orthomorphic projection - Ver Conformal projection.

Parallel - A small circle on the surface of the Earth formed by the intersection of the surface of the reference sphere or ellipsoid with a plane parallel to the plane of the Equator. This line is identified by its latitude. The Equator (a great circle) is usually also treated as a parallel.

Parallel of opposite sign - A parallel that is equally distant from but on the opposite side of the Equator. For example, for lat 30(°N (or +30°), the parallel of opposite sign is lat 30° S (or -30°). Also called latitude of opposite sign.

Parâmetros - The values of constants as applied to a map projection for a specific map examples are the values of the scale, the latitudes of the standard parallels, and the central meridian. The required parameters vary with the projection.

Perspective projection - A projection produced by projecting straight lines radiating from a selected point (or from infinity) through points on the surface of a sphere or ellipsoid and then onto a tangent or secant plane. Other perspective maps are projected onto a tangent or secant cylinder or cone by using straight lines passing through a single axis of the sphere or ellipsoid. Also called geometric projection.

Planar projection - A projection resulting from the conceptual projection of the Earth onto a tangent or secant plane. Usually, a planar projection is the same as an azimuthal projection. Mathematically, the projection is often only partially geometric.

Planimetric map - A map representing only the horizontal positions of features (without their elevations).

Polar aspect - An aspect of a projection, especially an azimuthal one, on which the Earth is viewed from the polar axis. For cylindrical or pseudocylindrical projections, this aspect is called transverse.

Pole - An extremity of a planet's axis of rotation. The North Pole is a singular point at 90°N for which longitude is ambiguous. The South Pole has the same characteristics and is located at 90°S.

Polyconic projection - A specific projection or member of a class of projections that are constructed like conic projections but with different cones for each parallel. In the normal aspect, all the parallels of latitude are nonconcentric circular arcs, except for a straight Equator, and the centers of these circles lie along a central axis.

Projeção - A systematic representation of a curved 3-D surface such as the Earth onto a flat 2-D plane. Each map projection has specific properties that make it useful for specific purposes.

Pseudoconic projection - A projection that, in the normal aspect, has concentric circular arcs for parallels and on which the meridians are equally spaced along the parallels, like those on a conic projection, but on which meridians are curved.

Pseudocylindrical projection - A projection that, in the normal aspect, has straight parallel lines for parallels and on which the meridians are (usually) equally spaced along parallels, as they are on a cylindrical projection, but on which the meridians are curved.

Quadrilátero - A region bounded by parallels north and south, and meridians east and west.

Raster map - Ver Matrix map.

Reckoning - The determination of geographic position by calculation.

Regional map - A small-scale map of an area covering at least 5 or 10 degrees of latitude and longitude but less than a hemisphere.

Regular aspect - Ver Normal aspect.

Regular matrix map - In the Mapping Toolbox, an equiangular (equal-angle) matrix map defined with a map legend vector, limited to a rectangular orientation.

Retroazimuthal projection - A projection on which the direction or azimuth from every point on the map to a given central point is shown correctly with respect to a vertical line parallel to the central meridian. The reverse of an azimuthal projection.

Rhumb line - A complex curve (a spherical helix) on a planet's surface that crosses every meridian at the same oblique angle a navigator can proceed between any two points along a rhumb line by maintaining a constant heading. A rhumb line is a straight line on the Mercator projection. Also called a loxodrome.

Escala - The ratio of the distance on a map or globe to the corresponding distance on the Earth usually stated in the form 1:5,000,000 for example.

Fator de escala - The ratio of the scale at a particular location and direction on a map to the stated scale of the map. At a standard parallel, or other standard line, the scale factor is 1.0.

Secant cone, cylinder, or plane - A secant cone or cylinder intersects the sphere or ellipsoid along two separate lines these lines are parallels of latitude if the axes of the geometric figures coincide. A secant plane intersects the sphere or ellipsoid along a line that is a parallel of latitude if the plane is at right angles to the axis.

Shaded Relief - Shading added to a map or image that makes it appear to have three-dimensional aspects. This type of enhancement is commonly done to satellite images and thematic maps utilizing digital topographic data to provide the appearance of terrain relief.

Similar (projection) - Subjective and qualitative term indicating a moderate or strong resemblance.

Singular points - Certain points on most but not all conformal projections at which conformality fails, such as the poles on the normal aspect of the Mercator projection.

Skew-oblique aspect - An aspect of a projection on which the axis of the Earth is rotated, so it is neither aligned with nor perpendicular to the conceptual axis of the map projection, and tilted, so the poles are at an angle to the conceptual axis of the map projection.

Small circle - A circle on the surface of a sphere formed by the intersection with a plane. Parallels of latitude are small circles on the Earth taken as a sphere. In the Mapping Toolbox, great circles, including the Equator and all meridians, are treated as special, limiting cases of small circles.

Small-scale mapping - Mapping at a scale smaller than about 1:1,000,000, although the limiting scale sometimes has been made as large as 1:250,000.

Esferóide - Ver Ellipsoid.

Standard parallel - In the normal aspect of a projection, a parallel of latitude along which the scale is as stated for that map. There are one or two standard parallels on most cylindrical and conic map projections and one on many polar stereographic projections.

Stereographic projection - A specific azimuthal projection or type of projection in which the Earth is projected geometrically onto a surface from a fixed (or moving) point on the opposite face of the Earth.

Tangent cone or cylinder - A cone or cylinder that just touches the sphere or ellipsoid along a single line. This line is a parallel of latitude if the axes of the geometric figures coincide.

Thematic map - A map designed to portray primarily a particular subject, such as population, railroads, or croplands.

Tissot indicatrix - Ver Indicatrix.

Topographic map - A map that usually represents the vertical positions or elevations of features as well as their horizontal positions. The topo workspace contains a simple example.

Transformed latitudes, longitudes, or poles - Graticule of meridians and parallels on a projection after the Earth has been turned with respect to the projection so that the Earth's axis no longer coincides with the conceptual axis of the projection. Used for oblique and transverse aspects of many projections.

Transverse aspect - An aspect of a map projection on which the axis of the Earth is rotated so that it is at right angles to the conceptual axis of the map projection. For azimuthal projections, this aspect is usually called equatorial rather than transverse.

True scale - Ver Correct scale.

Valued map - A matrix map in which entries represent some value or measurement. The topo workspace contains an example of a valued map. Each entry in the matrix map is an average elevation in meters for the geographic position represented by that cell.

Vector map - A map consisting of ordered latitude-longitude points, possibly connected. In the Mapping Toolbox, such map data is often represented by two vectors, representing latitude and longitude. Segments can be separated by the insertion of NaN 's in both vectors.

Parada - Points through which a track passes, usually corresponding to course or speed changes.

WGS 72 (World Geodetic System 1972 - An Earth-centered datum, used as a definition of DMA DEMs, presently stored in the USGS data base. The WGS 72 datum was the result of an extensive effort extending over approximately three years to collect selected satellite, surface gravity, and astrogeodetic data available throughout 1972. These data were combined using a unified WGS solution (a large-scale least squares adjustment).

WGS 84 (World Geodetic System 1984) - The WGS 84 was developed as a replacement for the WGS 72 by the military mapping community as a result of new and more accurate instrumentation and a more comprehensive control network of ground stations. The newly developed satellite radar altimeter was used to deduce geoid heights from oceanic regions between 70° north and south latitude. Geoid heights were also deduced from ground-based Doppler and ground-based laser satellite-tracking data, as well as surface gravity data. The ellipsoid associated with WGS 84 is GRS 80.

Zenithal projection - Ver Azimuthal projection.


Labeled World Map with Countries

Representing to round earth on a level map requires some twisting of the geographic highlights regardless of how the guide is finished. World guide with countries labeled demonstrates the location of the nations.

Blank Map of the World with Countries

Study of Geography helps to get in touch with some blank world maps countries labeled in it to illustrate different learning objectives. Here you can get a variety of different blank world maps countries that are available at free of cost, you can print and use them.

World Map with all Countries

Get all the countries name written on the world map here. This world map with all countries is a heck to make your life easy. This is used to illustrate all the countries and their capitals. If you’re looking for a map which provides all the countries name, then, you have come to the right place. This world map is accessible and is free to download.

Free Printable World Map with Countries Labelled

Here you will get the free printable world map with countries labeled pages are a valuable method to take in the political limits of the nations around the globe. Print these out to learn or demonstrate the country location.

These maps are astounding tools if you are a geology student or any individual who needs to end up more proficient around the globe.

The maps are in “PDF” arrange, which makes them simple to view and print on any program. To view and print the PDF maps, you require a PDF Reader introduced on your PC.

World Map Outline with Countries

World map outline with countries provides the demonstration of names of all countries and boundaries. It represents all geological features of all the countries making the geology students life easy. Download the world map outline with countries without spending a penny.

World Map with Countries and Capitals

Do you really know the number of countries is there in the world? Well, we all know there is no exact answer of this question as the country system are political and depends on your views. If you know approx all the country names, is there any chance you can tell the capitals of all the countries you know?

No need to worry! Here, you will get the various world map with countries and capitals perfect to improve your geological knowledge. These world map available in the different format are free to download.

World Map with Continents and Countries

This world map is designed to show the countries, continents present in the world, locate of some major cities, as well as major bodies of water. Different colors are used in this map to help you locate the borders and to distinguish the countries.

The world map shows all the continents of the world and also all the oceans are there in the world. In addition, Latitudes and Longitudes are marked on the map to accurately locate the position of any country in the world map. This map can be a useful tool for school students who want to grab the knowledge about the various aspects of world geography. Moreover, this world map can be a useful aid for teachers and parents as well.

The printable world map is available with countries labeled. If you want to use this world map for office use or you want to make your child excel in geology, you can use this map. This is easy to use and perfect to improve geological knowledge. Do you want to get the printable world map with countries labeled right away? Well! All you need to do is to click on the download button. This will be downloaded on your PC. This printable world map is available in pdf format. If you have a pdf reader installed in your system, you can easily access it at free of cost.

This blank map of the world is a great supplement your geology, history, and social studies books. You can use this map of the world for your child or student to make them learn about various landmasses, nations, historic points, political limits, and various other geological things. You can make your students to take their learning further by shading in the map to influence it to look much more practical. Get this blank map of the world here. Click on download to get it right now and save it in your PC.

World Time Zone Map

The world time zone maps are available in shading plan to assign the observed standard time zones of each nation. Most nations don’t modify their chance zone observance and when they do it in all probability includes boundary changes or changes in the recognition of daylight time. The world time zone outline the standard time zones really watched. In principle time zones depending on the division of the world into twenty-four time zones of 15 degrees longitude each. The time tradition starts with Universal Coordinated Time (UTC) which is likewise generally alluded to as Greenwich Mean Time (GMT) being situated at the Greenwich meridian. This line goes through the United Kingdom, France, Spain, Algeria, Mali and Ghana in Africa. Time zones toward the east of the Greenwich meridian are later and times toward the west of the Greenwich meridian are prior.

Tap on the download button to get the world time zone map.

Political Map of the World

The political map represents the government boundaries of countries and states. It shows the world’s different countries. This map is useful for history, geography, and social studies students to know about the political boundaries of a different nation. Download a political map of the world available in various formats. Here you will get a political map of the world at free of cost.

Physical Map of World

The physical map of the world shows all the landmasses and different topographical highlights over the world. Water bodies, for example, seas, oceans, lakes, waterways, and landscapes highlights, for example, levels, mountains, and deserts, are altogether shown. The mountains shaded by stature, with the tallest mountain in a different color, and the seas hued as per depth, with the deepest sea in blue, makes this physical guide simple to understand outwardly. Students, who wish to build their insight into world geology, will discover this an important asset, as will instructors and guardians.

Simple World Map Outline

The simple world map outline can be downloaded and printed as .pdf archives. They are arranged to print pleasantly and use effectively. They are incredible maps for school students who are finding out about the geology of nations. Teachers can also find it useful and download the maps, print the number of copies required for students.

It is difficult to demonstrate the outline of each small nation of the world on a map can be imprinted on a single sheet of paper. That is a simple reality of cartography. At the point when a huge geographic zone is shown on a little size of the paper, a considerable measure of the subtle elements must be left off. They are too little to be in any way drawn. This is something that students need to learn. It is the reason most urban communities do not appear on even the biggest divider maps. The map producer was not insulting your group – there was basically insufficient space to demonstrate each geographic element!

This map completes a decent work of demonstrating the limits of most significant nations of the world. Students can without much of a stretch utilize it to take in the significant nations of South America, Africa or different mainlands and areas.

Wall World Map

Are you looking for the world map which is perfect to hang on your wall?

Here you will find maps wonderfully rendered and intricately detailed, arrive in an assortment of styles, from rich earth tones to splendid, dynamic hues. Go past political boundaries and fundamental geography with a world map that shows population density, vegetation and land utilize, and even sea highlights. Each of our world maps is printable, top-notch materials to withstand a very long time of study and satisfaction perfect to hang on a wall. You can even customize your world map as per your need.

Map of World Oceans

Map of world oceans shows all the five oceans of the world with their borders presenting in a varied shade. The planet is all about oceans and 71% of water. Through map of world oceans you can demonstrate the oceans. You just need to click on the download button to get map of world oceans.

Download high-resolution map of the world available in black and white color. The black and white map of the world is perfect to teach your students. This is available in various format. Download it to get it printed.

Colorful World Map

The colorful map is handy in the term to demonstrate the countries and their states. These are beautiful, easy to understand, easy to differentiate other countries, and shows each detail of the world. You can also customize it as per your requirement.

World Map with Capitals

These maps are a great source to learn about the countries and their capitals. World map with capitals are perfect to locate the countries and their capitals. You can download these multi-use world map with capitals and can customize as well.


Legal regulation

Some countries required that all published maps represent their national claims regarding border disputes. Por exemplo:

  • Within Russia, Google Maps shows Crimea as part of Russia. [5]
  • Both the Republic of India and the People's Republic of China require that all maps show areas subject to the Sino-Indian border dispute in their own favor. [6]

In 2010, the People's Republic of China began requiring that all online maps served from within China be hosted there, making them subject to Chinese laws. [7]


The History Of Cartography

The history of cartography goes much further back in history than the time when the subject was designated by a name and a definition. Several prehistoric cave paintings have been recorded as time-worn maps, and artifacts have been preserved hoping that they bear evidence to the location of lost cities, towns, and treasure deposits of the ancient world. A wall painting, dated to the 7th Millennium BC, might be one of the oldest maps in the world. This painting is believed to represent the location of Çatalhöyük, a city in ancient Anatolia.

The modern form of cartography started to develop from the 6th Century BC onward. Ancient Greeks and Romans served as pioneers in this development. The contributions of Anaximander, a Greek philosopher, and Ptolemy, a multi-talented Greek genius, are most notable in this regard. The former was credited with the production of the first documented map of the world while the latter produced Geographia, a treatise on Cartography. Soon, by the 8th Century, Arabic translations of cartographic work by the Greeks were being made by the Arabian scholars. In 1154, the Arabic scholar, Muhammad al-Idrisi prepared a medieval atlas incorporating knowledge of the world gathered by Arabic merchants.

Further east, the ancient and thriving civilizations of India and China also produced stalwarts in the field of ancient cartography. Indian astronomers and cartographers had already started mapping the Pole Star and other constellations using age-old mapping systems. The State of Qin in China is associated with the production of some of the oldest extant maps of the world, some dating as far back as the 5th Century BC.

Such inventions as the telescope, the compass, and the sextant soon came to revolutionize the world of cartography. It triggered the Age of Exploration from the 15th Century through the 17th Century. During this time, the European cartographers conducted extensive surveys, explored unexplored lands, and created detailed maps, representing the entire world on small pieces of paper. The world’s oldest extant globe was produced in 1492 by the German cartographer Martin Behaim. Soon, more inventions, discoveries, and explorations gave rise to the modern forms of cartography, the science and art of map-making.


World Geodetic System 1984 (WGS84)

WGS84 is defined and maintained by the United States National Geospatial-Intelligence Agency (NGA). It is consistent, to about 1cm, with the International Terrestrial Reference Frame (ITRF). It is a global datum, which means that coordinates change over time for objects which are fixed in the ground. This is because the tectonic plates on which New Zealand sits are constantly moving, albeit reasonably slowly. In New Zealand this movement is about 5cm per year. This continuous ground movement means that even in the absence of earthquakes and other localised land movements, WGS84 coordinates are constantly changing. These are often referred to as dynamic or kinematic coordinates. Therefore it is important that coordinates in terms of WGS84 have a time associated with them, especially where the best levels of accuracy are required.

Note: There are multiple realisations of WGS84. Each of these realisations is a separate datum. For highly-accurate coordinates, it is important to know which realisation the coordinates are referenced to.

Network (Absolute) Accuracy (m) (1-sigma)
Relative to ITRF2008

Issues with WGS84 Coordinates

It is common for geospatial data to be referenced to the WGS84 datum, with no associated coordinate epoch and/or no information about which realisation of WGS84 was used.

It is also common for coordinates described as being WGS84 to actually be in terms of NZGD2000.

This is because most accurate coordinates in New Zealand were calculated using connections to NZGD2000 geodetic control or aligned to some other NZGD2000 data. For example, it is common for centimetre-accurate GNSS coordinates to be referenced to the NZGD2000 coordinates of a base station. In other cases, a site transformation may have been calculated in the field using NZGD2000 coordinates. The WGS84 confusion usually occurs because the GPS satellite orbits are broadcast in terms of WGS84. But for accurate positioning, it is the coordinates of the ground control, not the satellites, which determines the datum of the coordinates.

Some of the confusion about WGS84 stems from the assumption that NZGD2000 and WGS84 are the same, for practical purposes. Por exemplo, o Standard for New Zealand Geodetic Datum 2000 (effective 16 November 2007) describes WGS84 and NZGD2000 coordinates as identical, at the 1m level. This assumption is not valid where accuracies better than 1m are required.

It is worth noting that true WGS84 coordinates (ie that change with time) are not generally available in New Zealand. It is therefore unlikely that a centimetre or decimetre-accurate WGS84 dataset in New Zealand is truly in terms of WGS84. It is more likely that they are actually NZGD2000, or some other local coordinate system.