Mais

Correção adequada do solo para a grade e projeção de mapas de levantamento antigos

Correção adequada do solo para a grade e projeção de mapas de levantamento antigos


Eu fiz esta pergunta no site geonet da ESRI, mas não tive sorte lá, desculpe pela duplicação ...

Estou trabalhando na digitalização de um grupo de mapas da década de 1950 que mostram a localização de servidões ao longo de um oleoduto. Os limites da servidão são registrados com orientação dos quadrantes e distâncias em pés. (Não tenho certeza se é pés internacionais ou pés de pesquisa e, de acordo com algumas fontes, não deve fazer muita diferença? No entanto, adoraria que alguém confirmasse isso.)

Estou usando a ferramenta Traverse para desenhar as parcelas da servidão e tentando descobrir se preciso fazer uma correção do solo para a grade. Os mapas originais indicam que a base dos rolamentos é "Coordenadas do Plano Estadual (Sistema Lambert) Zona V da Grade da Califórnia", sem indicação específica de declinação ou quaisquer outras correções. Quero que o arquivo que estou criando também esteja no State Plane CA Grid Zone V (Lambert). Então, minha primeira pergunta é: Eu preciso mesmo me preocupar com uma correção de solo para grade? E em caso afirmativo, alguém pode lançar alguma luz sobre como encontrar o ângulo de correção correto?

Junto com isso, estou pensando em manter tudo preciso, já que precisarei ir de NAD27 (nos mapas originais) para NAD83 (para jogar bem com os arquivos atuais). Meu plano de ataque agora é: 1) criar a classe de recurso de servidão e definir o sistema de coordenadas para NAD27 na zona SP apropriada 2) Desenhar polígonos de servidão 3) Projetar em NAD83. Este fluxo de trabalho manteria os recursos precisos? (Ou alguma sugestão sobre outras / melhores maneiras de fazer isso?)

Espero que isso esteja claro; lidar com detalhes de dados / projeções não é meu forte.


Se você estiver trabalhando em áreas de levantamento topográfico, a base do rolamento, mesmo que seja referenciada à Zona 5 da grade da Califórnia, deve ter um início ou linha de referência para a base do rolamento.

Deve estar no início da descrição da servidão.

Pode começar em um canto de seção, ou algum outro canto de alíquota, e descrever a travessia para a servidão ao longo de uma linha de seção, ou uma distância ao longo de uma linha de seção e, em seguida, uma distância perpendicular ao início da servidão.

Se for simplesmente desenhado com chamadas de registro, você terá que usá-los e encontrar locais correspondentes em seus dados de fundo. (Os dados de fundo podem ser uma imagem aérea, dados PLSS, dados GIS de outra fonte ou qualquer coisa que você esteja usando para sobrepor seus dados.)

Se você precisar incorporar uma correção do solo à grade para os rumos, pegue dois pontos dos dados registrados com chamadas de rumo e distância e os mesmos dois pontos de seus dados de fundo e, em seguida, faça uma coordenada inversa entre os pontos de seus dados de fundo para derivar azimute e distância para os dois pontos. Quanto maior for a distância entre os pontos comparados, melhor.

Você pode então comparar esses dados com o que está em suas planilhas e aplicar a diferença de orientação à transversal que está computando; você também pode encontrar discrepâncias com a distância registrada e a distância inversa. Neste momento, a diferença de orientação é mais importante, a menos que as discrepâncias de distância sejam realmente grandes. (Maior do que alguns pés). Seria uma boa ideia encontrar vários locais coincidentes para verificar isso. Isso pressupõe que você seja capaz de relacionar as plantas a locais discerníveis no solo e seus dados de fundo.

Trabalhar na poligonal em NAD27 e, em seguida, converter para NAD83 não deve ser um problema. Apenas certifique-se de usar os métodos de transformação adequados. Sei que quase todo mundo usa as transformações NADCON, mas de vez em quando você encontra alguém que usa outra coisa. Não é comum fazer isso.


Não sou da Califórnia, mas no meu estado a declinação deve ser listada na plataforma ou registro do instrumento, pelo menos geralmente é. Se não acredito que possa ajudar, coloque a área em que a pesquisa foi feita e a data em que foi feita e deve dar a declinação. NGS tem um monte de ferramentas legais btw

http://www.ngdc.noaa.gov/geomag-web/

A diferença entre os pés de pesquisa e os pés internos é como 2 pés por milhão de encontro ou algo parecido, então não muito grande se você estiver lidando com uma área pequena, mas pode somar em uma longa distância.

Seu fluxo de trabalho parece estar em sintonia, mas provavelmente não sou o melhor para perguntar, hah


Assista o vídeo: 6 ano- Mapas e projeções cartográficas- geografia professor Fortunato Wyvig